O que te atraí hoje em um evento de Rock?

Hoje vivemos um momento no qual a indústria do entretenimento foi totalmente afetada pela pandemia. Porém, até o início deste ano, os eventos aconteciam normalmente, mas aquela questão de ir a um show apenas para ver as bandas tocarem, em qualquer local, com qualquer equipamento, sem o mínimo de estrutura, já vinha mudando.

Alguns bares passaram a investir mais, os Pubs também começaram a aparecer, o rolê “roqueiro” começou a ser Gourmetizado e a perder a característica Underground. Era inevitável que tudo mudasse: as pessoas passaram a ser mais exigentes, preferindo ir em um local que, mesmo sem atrações ao vivo, tivesse um bom atendimento. Os fãs estavam cansados de virar a noite em bares que mal tinham um banheiro limpo e utilizável, um equipamento de som decente e o mínimo de conforto para as bandas tocarem.

Um ponto chave em questão é também o tratamento que as bandas recebem neste tipo de lugar. Creio que já passou da época das bandas aceitarem se apresentar apenas pelo prazer, de tocar, principalmente músicos de Rock autoral, que até hoje se submetem a tocar em qualquer local, em qualquer condição, a troco de meia dúzia de cervejas ou, pasmém, a troco de nada. É triste, mas este é o cenário disponível na maioria dos eventos.

Infelizmente, quem está de fora não sabe ou não percebe que a atração oferecida pela casa
está ali se “lascando” e passando “perreio”, fazendo por que gosta, para agradar o público e donos de bares que acham que estão fazendo um grande favor para as bandas liberando espaço para estes artistas “divulgarem seus trabalhos”.

A ausência de público nestes locais também é um reflexo do tratamento aplicado para as bandas, que é similar ao do cliente já que muitas vezes paga 10 “conto” em uma long neck quente e tem como cardápio um salgado esquecido há 3 dias nas estufa.

O que quero dizer é que há de se renovar espírito dos espaços underground. Estes precisam se renovar e procurar uma forma de trazer o público de volta. Precisamos ver como será
o cenário pós-pandemia, quais casas de shows irão sobreviver e se ainda haverá o interesse por bandas ao vivo ou se permaneceram as lives. Vamos aguardar e ver se com este hiato de shows o público irá sentir falta ou esquecer de vez os eventos com bandas autorias.

 


Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *